Os Solventes Orgânicos e a sua Perigosidade

 

A utilização de alguns tipos de solventes orgânicos tem vindo a ser posta em causa devido ao seu grau de perigosidade para a saúde humana (sobretudos os solventes aromáticos e clorados). Também em termos ambientais, as emissões para a atmosfera de compostos orgânicos voláteis constitui também uma grande preocupação, como é de todo conhecido.

Na Introdução já fizemos referência aos Decretos-Lei que regulamentam actualmente a utilização de solventes (COV – Compostos Orgânicos Voláteis).

Daí que exista, actualmente, um grande esforço no sentido de substituir os solventes reconhecidamente mais perigosos ou mais poluentes. Nos últimos anos a perigosidade resultante da utilização de alguns tipos de solventes e as grandes pressões sobre questões ambientais conduziram à preparação de adesivos de base aquosa – adesivos mais amigos do ambiente – tendo, em resultado, surgido nos últimos anos suspensões aquosas de diversos tipos de borrachas (borracha natural, policloropreno, poliuretano, etc.), as quais têm vindo a ocupar uma quota crescente no mercado dos materiais adesivos.

Recomenda-se aos utilizadores de solventes orgânicos, uma leitura muito cuidadosa de toda a documentação que os fabricantes ou fornecedores de solventes disponibilizem, nomeadamente as suas fichas técnicas (TDS) e também as fichas de segurança, (MSDS), de modo ao solvente ser utilizado com todas as condições de segurança de pessoas e instalações.

Muita atenção também aos cuidados a ter com a sua armazenagem, pelo que devem existir procedimentos muito rigorosos de manuseamento e também um Plano de Contingência tendo em vista definir as acções a desencadear em situações de emergência (incêndio, derrames, etc.).